Preprint has been published in a journal as an article
DOI of the published article http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054002494
Preprint / Version 1

Modelo de crença em saúde para determinantes de risco para contaminação por coronavírus

##article.authors##

  • Marcelo Fernandes Costa Departamento de Psicologia Experimental. Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil; Núcleo de Neurociências Aplicada. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-3944-8457

Keywords:

Infecções por Coronavirus, prevenção & controle, Infecções por Coronavirus, psicologia, Comportamento de Redução do Risco, Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde

Abstract

OBJETIVO: Neste estudo buscamos utilizar as vantagens de uma escala de razão por ancoragem verbal para medidas da percepção de risco de contágio pelo novo coronavírus, causador da covid-19, em um questionário baseado no modelo de crença em saúde, assim como avaliar sua validade e reprodutibilidade. MÉTODO: Utilizamos o modelo de crença em saúde, o qual explora quatro dimensões: percepção individual de susceptibilidade percebida (cinco questões), severidade percebida (cinco questões), benefícios percebidos (cinco questões) e barreiras percebidas (cinco questões). Adicionalmente, incluímos uma quinta dimensão, a qual denominamos motivação pró-saúde
(quatro questões). As questões definiram um questionário eletrônico que foi divulgado por redes sociais pelo período de uma semana. As respostas foram valores quantitativos de representações subjetivas, obtidas por meio de uma escala psicofísica de razão com ancoragem verbal (CentiMax®). O tempo médio total de preenchimento foi de 12 minutos (desvio-padrão = 1,6). RESULTADOS: Obtivemos 277 respostas completas ao formulário. Uma foi excluída por se
tratar de participante com menos de 18 anos de idade. Medidas de reprodutibilidade foram significantes para 22 das 24 questões de nosso questionário (α de Cronbach = 0,883). A validade convergente foi atestada pelo coeficiente de correlação de Spearman-Brown split half (r = 0,882). Diferenças significantes entre grupos foram encontradas mais intensamente nas dimensões susceptibilidade percebida e severidade percebida, e menos intensamente para benefícios
percebidos e barreiras percebidas. CONCLUSÃO: Nosso questionário baseado no modelo de crença em saúde utilizando medidas quantitativas permitiu evidenciar as crenças populares sobre os riscos de contágio por covid-19.
A vantagem de nossa abordagem é a possibilidade de se identificar os perfis de crença individuais para cada dimensão do questionário de forma rápida, direta e quantitativa, podendo ser uma grande aliada em processos de comunicação e educação em saúde pública.

Published

2020-05-18

Section

Health Sciences