Preprint has been submitted for publication in journal
Preprint / Version 1

Envelhecimento, multimorbidade e risco para COVID-19 grave: ELSI-Brasil

##article.authors##

  • Bruno Nunes Federal University of Pelotas https://orcid.org/0000-0002-4496-4122
  • Ana Sara de Souza Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Januse Nogueira Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
  • Fabíola Andrade Fundação Oswaldo Cruz. Minas Gerais (FIOCRUZ-MG)
  • Elaine Thumé Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Doralice Teixeira Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP)
  • Maria Fernanda Lima-Costa Fundação Oswaldo Cruz. Minas Gerais (FIOCRUZ-MG)
  • Luiz Augusto Facchini Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Sandro Batista Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.703

Keywords:

multimorbidity, chronic diseases, elderly, COVID-19, aging

Abstract

O objetivo deste estudo foi medir a ocorrência de multimorbidade e estimar o número de indivíduos na população brasileira com 50 anos ou mais em risco para COVID-19 grave. Estudo transversal utilizando dados da linha de base do Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI), conduzido em 2015–2016, com 9.412 indivíduos com 50 anos ou mais. O desfecho do estudo foi a ocorrência de multimorbidade baseando-se em uma lista de 17 morbidades consideradas de risco para COVID-19 grave e operacionalizado de duas formas: ≥1 e ≥2 condições. Avaliou-se a gravidade da situação de saúde por meio da autoavaliação do estado de saúde, fragilidade e Atividades Básicas da Vida Diária. As análises incluíram cálculo de prevalência e número absoluto estimado de pessoas na população. Sexo, idade, região geopolítica e escolaridade foram utilizadas como covariáveis. Cerca de 80% (≈34 milhões) dos indivíduos apresentaram pelo menos alguma das morbidades avaliadas; multimorbidade esteve presente em metade da população em estudo (52,0%) sendo, percentualmente, maior nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Doenças cardiovasculares e obesidade foram as condições mais frequentes. Indivíduos considerados com situação grave de saúde com morbidades representaram >6% da população em estudo (≈2,4 milhões) com desigualdades segundo escolaridade. O número de pessoas em envelhecimento no Brasil que apresentam morbidades de risco para COVID-19 grave é alto, em termos relativos e absolutos. Essa mensuração pode ser útil para planejar as estratégias de enfrentamento do novo coronavírus em diferentes etapas da pandemia.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Posted

2020-06-03

Section

Health Sciences